Anúncios !!!


Cat-1

Cat-2

Anúncios!!!


Poesia

ColunaDireita

Catago Vazio2

Coluna Filosofia

Matérias


ANÚNCIOS!!!


Podem participar escritores e poetas nessa Antologia  em homenagem à Thiago de Mello.
Máximo uma página por autor. Pode ser em verso, prosa, ensaio, soneto, trova, etc.

Letra: ARIAL 12 justificada - margem esquerda.
Recepção de obras, até março 2018.

Enviar os trabalhos para: poeta@alfredasis.cl

Ver "Os Estatutos do Homem"- de Thiago de Mello.
Mais informações nos sites: http://alfredasis.cl/index_thiago.htm,

http://alfredasis.cl/thiago_formato.htm

Antologias publicadas pelo poeta Alfred Asis - na internet ou em papel.





OFICINA DE CRIAÇÃO LITERÁRIA: PENSANDO NARRATIVAS


Escrever é um ato solitário, mas quem de fato, escreve sozinho? Quando pensamos em uma história, estamos acompanhados pelos livros que lemos, pelas conversas que escutamos e pelas experiências que nos permeiam. Porém, de tudo o que sei e tudo o que quero dizer, o que devo escolher? A proposta da Oficina de Criação Literária “Pensando Narrativas” é mostrar os possíveis caminhos da narração. Nos 16 encontros da oficina, os participantes serão convidados a refletir sobre o ato da criação literária – estruturas narrativas, elaboração de personagens, teoria do discurso, etc – através de leituras e exercícios de escrita criativa. Durante todo o curso, eles também terão a oportunidade de experimentar diversas formas textuais para que, ao final, sintam-se mais seguros e aptos a contar suas próprias histórias.


Datas: 06/03/2018 a 06/06/2018 – Sempre às terças-feiras

Horário: 14h às 16h

Espaço Cultural: Solar dos Guimarães – entrada pelo Conservatório de MPB
Valor: 4x de R$ 55,00 (pagamento direto ao orientador do curso)
Informações: 3321-3317

Inscrições: coordenacaodeliteratura@fcc.curitiba.pr.gov.br

No ato da inscrição, favor informar: nome completo, idade e profissão.
Prazo de inscrições: de 14/02 a 02/03 (VAGAS LIMITADAS)
Classificação: 16 anos
Professor / Orientador(a): Mylle Silva

Mylle Silva é escritora, roteirista e artesã. Graduou-se em Comunicação Social pela PUC-PR e dedica-se à escrita desde que se conhece por gente. Publicou o livro de contos “A Sala de Banho” (2014) e é roteirista das histórias em quadrinhos “A Samurai” (2015), “A Samurai: Yorimichi” (2016) e “A Samurai: Primeira Batalha” (2017 – em produção). Compartilha seu amor pela escrita em cursos e através do site Oficina de Escrita.

Centro Histórico de Curitiba - Fotografia de Isabel Furini








Nuestra entrevistada es Vanesa Pérez-Sauquillo, poetisa española licenciada en Filología Hispánica por la Universidad Complutense de Madrid, donde también estudió Literatura francesa.  Sus versos son trabajados como pequeñas joyas y se caracterizan por sensibilidad y originalidad. Vanesa huye del lugar común. Ella tiene dominio de las palabras y se expresa en versos con fuerza y elegancia, llamando la atención de lectores y críticos. Su obra es aplaudida en España y en Hispanoamérica. Entre sus trabajos premiados podemos citar Climax Road (Accésit del Premio Adonáis y Premio Ojo Crítico de Radio Nacional, 2012), Bajo la lluvia equivocada (Premio Arte Joven de la Comunidad de Madrid, Hiperión, 2006), Vocación de rabia (Accésit del Premio Federico García Lorca de la Universidad de Granada, 2002) y Estrellas por la alfombra (Premio Antonio Carvajal, Hiperión, 2001).

Vanesa Pérez-Sauquillo en la fotografía y edición © de Paul Gladis 


¿Podría hablar un poco de su primer libro? ¿Qué representó para usted esa publicación? 

Mi primer libro (Estrellas por la alfombra) lo escribí entre los 18 y los 21 años. Refleja los primeros viajes, el primer amor, el descubrimiento de la soledad y la nostalgia durante el año que viví en París… El título hace referencia a un poema breve del libro:
La pena negra

Se le rompió el caleidoscopio 
que le regalaste.
Hay todavía un portal 
en París
que tiene estrellas por la alfombra.

Esas estrellas acabaron siendo símbolo de la poesía para mí. La poesía que no está en mundos lejanos, sino que se integra en nuestra vida, pasa a formar parte de nuestro universo cotidiano.

Publicar ese primer libro en la editorial Hiperión fue una toma de conciencia fuerte del camino que había elegido, porque con Hiperión comenzaron las reseñas, las entrevistas, las invitaciones a congresos y universidades…
Lo público entró en el espacio de lo íntimo, y eso también supuso una revolución interior, que primero me bloqueó y después me impulsó a incorporar en los poemas aspectos de otros géneros (diferentes personajes de ficción en los que poder dividirme…)

¿Su familia tuvo influencia en su camino literario? 

Sí, desde mi infancia viví en casa una relación muy cercana y entusiasta con los libros. Mis padres, que con un grupo de amigos crearon una revista cultural en Cartagena y una editorial, me enseñaron entre otras cosas que escribir y publicar libros era una posibilidad real. Siempre me animaron a seguir en este camino, incluso cuando tomé decisiones arriesgadas como la de dejar el trabajo (en plena crisis económica) para dedicarme a la escritura.

¿Se ha sorprendido a veces al releer sus primeros poemas? 

Sí, la verdad. El primer libro es algo de lo que la mayoría de los autores renegamos más adelante. Yo he pasado unos cuantos años sin querer saber nada de él, pero ahora, al releerlo para la antología El sueño intacto (que recoge poemas de todas mis obras), me han sorprendido positivamente muchos de sus textos.

¿Cómo es su proceso creativo? ¿Cómo nace el poema en su mente? 
El estado poético me llega por épocas, que yo llamo de “verticalidad”. Durante ese período (que vivo cada dos, tres o cinco años y dura varios meses) me siento bastante torpe ante las obligaciones prácticas, ajena al mundo de las “cosas”. Es difícil compaginarlo, pero en esos momentos de plenitud creadora en los que el poema fluye como si fuera algo externo a mí, soy consciente de estar viviendo algo extraordinario y acojo el momento y sus contradicciones con alegría y gratitud.

¿Qué ha sido más inspirador en sus obras: la alegría, el amor, la tristeza? 
Creo que, en todos mis libros (desde el primero hasta el último, para adultos o para niños, en prosa o en verso), no he hecho más que hablar de amor, en sus diferentes manifestaciones. Amor y deseo, desamor, el amor que nos hace mejores y nos construye, el que nos destruye…

¿Considera que la poesía libera las emociones? ¿Para usted la poesía es una forma de catarsis? 
La poesía, a lo largo de mi vida, ha sido una forma de aprender el mundo, de inventar otros, a veces una evasión, una tabla de salvación…  Hay poemas que he escrito por los que he pagado un precio muy alto. Poemas que, al recitarlos durante años, me han impedido superar ciertas emociones. Pero en general, la escritura siempre me ha resultado liberadora. Rompe las cadenas de nuestro presente.

¿Cuáles son los poetas que influenciaron su obra? 
Soy filóloga, y he tenido una formación bastante amplia en ese sentido. Cuando empecé a publicar, algunos de mis escritores favoritos eran San Juan de la Cruz, Lorca y la generación del 27, Alejandra Pizarnik y Julio Cortázar. Entonces empecé a leer a poetas contemporáneos (como Juan Carlos Mestre, Fernando Beltrán…), y grandes poetas vivos que no se estudiaban en la universidad (Szymborska, Carlos Edmundo de Ory, Gonzalo Rojas, Christian Bobin…). Unos no tienen nada que ver con otros. Por eso, no sé hasta qué punto puedo decir que me “influenciaron”. A la hora de escribir nunca he intentado hacerlo “a la manera de” otro poeta, al menos conscientemente. He seguido el impulso y los dictados de mi voz. Si necesitaba “un momento Paul Celan”, leía a Paul Celan, no intentaba escribir como él.

Hablemos un poco de la crítica, en este momento en el cual se habla tanto de Fake News con la intención de desprestigiar el periodismo. ¿Cómo fue o como es su relación con los críticos literarios? 
No he escrito nunca pensando en los críticos, la verdad, pero no puedo quejarme. Tengo reconocimiento y hasta ahora las reseñas que han recibido mis libros han sido siempre buenas.

Por favor, hable sobre sus proyectos literarios para 2018.
Este año abre para mí con varias publicaciones de Literatura Infantil y Juvenil: un nuevo libro para los más pequeños dentro de la colección Grandes Pasitos (Ed. Beascoa/Random House); una novela infantil situada en Venecia que mezcla fantasía e historia de la literatura: El caballo de Lord Byron (Ed. Siruela. Colección Las tres edades) y varios cuentos en verso que publicará Santillana en libros de texto.
 Además, presentaré dos libros que salieron a finales de 2017: mi antología de poesía El sueño intacto. Antología 2001-2017 (Ed. Ars Poetica), y el álbum Deseos de nunca acabar, ilustrado por Fernando Vicente.
En otoño saldrá mi último libro de poesía en la editorial Calambur. Aunque lo escribí en 2012, todavía no sé cómo se va a llamar. Condensar todo un libro en un título siempre me ha parecido una de las partes más difíciles del proceso de creación...

Entrevista realizada por Isabel Furini
O  21° encontro do Clube de Leitura Floriterárias será no Edifício. Texas, na Rua Rosário da Boa Vista, n° 163, Boa Vista, Recife, em 24 de fevereiro de 2018, a partir das 14 horas.
Um evento só para mulheres



Vamos ler, debater, trocar ideias e impressões sobre a obra literária da escritora Clarice Lispector.
"Reconhecida pela crítica literária brasileira e estrangeira como uma das maiores escritoras do século XX, Clarice Lispector mudou os rumos da narrativa moderna com uma escrita singular, passando por diversos gêneros, do conto ao romance, da crônica à dramaturgia, da entrevista à correspondência e, também, pelas páginas femininas.

Clarice nasceu em 1920, na Ucrânia, então uma das repúblicas da extinta União Soviética. De família judia, chegou ao Brasil com os pais e mais duas irmãs em 1922 e foi naturalizada brasileira. Morou primeiro em Maceió e depois em Recife, onde passou a infância. Perdeu a mãe em 1930 e, três anos depois, o pai mudou-se com as filhas para o Rio de Janeiro. No Rio, Clarice formou-se em Direito, trabalhou como jornalista e iniciou sua carreira literária com o romance Perto do coração selvagem, em 1943. Viveu muitos anos no exterior, em função do casamento com o diplomata Maury Gurgel Valente, com quem teve dois filhos, Pedro e Paulo. Clarice morreu em 9 de dezembro de 1977, no Rio de Janeiro, um dia antes de completar 57 anos."

Aconteceu  em 04 de Fevereiro (domingo), das 14 às 16 horas foi o Recital Poético de Isabel Furini na Biblioteca de Burlingame, Califórnia, USA.
Isabel Furini fez leitura de seus poemas em idioma espanhol e Bárbara O`Dell e Monique Rojas realizaram a leitura dos mesmos poemas em língua inglesa.
Os participantes, na sua maioria americanos que estudam a língua e cultura hispanoamericana, também tiveram a oportunidade de ler alguns dos poemas e realizar perguntas e comentários.
Durante duas horas os presentes leram e analisaram as poesias de Isabel.
Barbara O`Dell, a organizadora do evento agradeceu aos presentes e deixou em aberto a possibilidade de um novo Recital que será agendado com maior antecedência.


Recital de Isabel Furini na Biblioteca de Burlingame, Califórnia, USA


Bárbara O'Dell realizou a leitura dos poemas em inglês, na Biblioteca de Burlingame
Isabel Furini na Biblioteca de Burlingame, USA.

PRECISAMOS DE ARTE?
Definitivamente sim! E digo isto não apenas por ser professora de Arte, artista plástica e colunista cultural. Ao longo do tempo,  sob as mais diversas posturas adotadas pelo indivíduo, a Arte sempre esteve presente. Esta relação pode ser evidenciada através de objetos, pinturas, gravuras, textos, etc., registrados e espalhados em diversos espaços culturais e museus pelo mundo.
As produções artísticas são reflexos dos sentimentos, emoções e experiências vividas pela humanidade. Além deste importante registro, a Arte é uma  forma de conscientização do porquê da nossa existência. Portanto, desde os mais primórdios tempos o homem necessita de registrar a sua passagem, seja através das marcas na caverna, pintura em um quadro ou uma fotografia. Os pintores sempre fizeram seus autorretratos e agora proliferam as “selfs” nas redes sociais. Registrar a si mesmo e as suas impressões do mundo é o desafio de todo artista.

Obra da artista plástica Katia Velo


O QUE É ESTA TAL ARTE CONTEMPORÂNEA?
Até o Renascimento, parece-nos que a Arte é mais bonita, mas compreensível. Provavelmente esta compreensão ocorra, justamente, porque a vida do ser humano, até aquele momento, também era menos complexa. A Arte Contemporânea tem como característica  uma ampla disposição para a experimentação, levando os artistas a realizarem uma verdadeira fusão de linguagens, materiais e tecnologias.
A Arte Contemporânea é uma nova forma de representação dos problemas atuais. Ela é norteada, principalmente, por questões que afetam a todos nós diretamente, seja na rua, nos conceitos, nas relações pessoais, na mídia e na própria Arte.
O artista contemporâneo quer inovar, provocar, polemizar, transgredir. Mas, não adianta apenas ficar em frente a uma obra de Arte Contemporânea e dizer “Isto é Arte? Até eu sei fazer!”, pois em alguns casos é preciso compreender a trajetória do artista, o processo, para compreender sua obra. É como tentar entender uma língua estrangeira sem ter estudado. Enfim, compreendê-la é tão confuso, complicado e algumas vezes sem sentido; e tudo isto tem uma relação direta com o que estamos vivendo.  Vida e Arte se fundem e se complementam.

Obra da artista plástica Katia Velo

O dilema do algodão doce

Depois de muito observar a moça que se sentou na sua frente na praça, o rapaz decidiu se aproximar e confessar seu interesse. Ela comia um enorme algodão doce cor de rosa e ele achou que esse seria o melhor tópico para puxar assunto. Antes de ir, no entanto, preferiu ensaiar mentalmente o que diria:

"Oi, meu nome é João, eu estava te vendo comer esse algodão doce e fiquei com fome, me dá um pouquinho?"

Levantou-se, estufou o peito, deu o primeiro passo até a moça. Depois voltou um passo, sentou-se novamente e pensou de novo sobre o que diria. Achava que se começasse dizendo que ficou com fome ao vê-la comer ela ia pensar que ele era esquisito. Ele tinha fome dela, de ouvir como era sua voz, de saber qual sua opinião sobre o mundo. Pensou mais um pouco:

"Oi, eu sou João, também adoro algodão doce, o que mais será que nós temos em comum?"
Quadro de Liliana Bruquetas
Levantou-se, estufou o peito, deu o primeiro passo até a moça e ficou pensando. Lembrou-se de um post da internet que era engraçadinho e ela podia gostar, começar com uma piada parecia uma boa ideia. Voltou, se sentou novamente, pegou o celular, procurou o post por algum tempo:

"Oi, eu sou João, e você é o google, né? Porque tudo que eu procurava encontrei em você!"

Dessa vez nem se levantou, começar com uma cantada dessas não traria vantagem nenhuma. Preferiu voltar ao começo, tentou focar no algodão doce, uma ideia simples, concreta, pensou:

"Oi, eu te vi aí comendo esse algodão doce, toda concentrada, e pensei, que menina linda, vou lá me apresentar, meu nome João, e você como se chama?"

Levantou-se, ficou olhando a moça, depois sentou-se de novo. Pensou:

"A gente nunca sabe em que esquina vai encontrar o amor da nossa vida, talvez se fossemos mais corajosos, talvez se déssemos mais chance para as pequenas mensagens que o destino tenta nos enviar, encontraríamos a felicidade. Eu não estou tentando te convencer que eu sou a sua felicidade, mas talvez eu seja! Você gosta de algodão doce e eu também, você gosta desse parque e eu também, você perde alguns minutos do seu dia só pra comer algodão doce, sem estresse, sem celular, e eu quero muito ter uma pessoa como você na minha vida. Prazer João."

Desta vez não se levantou. Ficou apensa pensando:

"É claro que eu não posso ir até lá e fazer um discurso sobre amor e felicidade, eu nem sei quem ela é, talvez se eu só disser oi as coisas se desenvolvam naturalmente."
Começou a reformular o que diria quando ela se levantou, jogou o que restava do algodão doce no lixo e saiu chupando os dedos.

Ele olhou as horas no celular e a observou se afastar aos poucos. Talvez se a encontrasse em um desses sites de namoro eles tivessem uma segunda chance.
Nesses tempos talvez já não exista espaço para relacionamentos espontâneos.



V. Evans é o pseudônimo de Viviane Furtado, autora de Down the Road. Apaixonada por livros desde a infância, aprendeu a ler com três anos de idade e escreveu o primeiro livro de poesias aos sete ano. Nascida em janeiro de 1989 na Bahia, mudou-se para São Bernardo do Campo_ SP, onde vive, graduada em Pedagogia, cursando uma especialização em Literatura, música e ensino da arte, trabalha como professora de inglês, depois de conhecer a Inglaterra, viajar para o Chile, seguindo sua banda de rock favorita, passar pela Irlanda, onde conheceu o melhor verde do mundo, e passar uma temporada descobrindo as belezas do Brasil, decidiu se dedicar intensamente à escrita.
Você pode encontra-la no Skoob (https://www.skoob.com.br/autor/19020-v-evans).


galáxia


cada estrela é uma palavra
palavras bem entrelaçadas
 formam constelações
o encontro garboso
faz nascer uma espantosa galáxia

Jean Narciso Bispo Moura





O verbo


o verbo é um soldado insolente
ama a hábil rameira
que afia a sua faca
uivos saltam nus da escrivaninha

a  palavra no verbo
o verbo na palavra
ui!
ai!

penetração nos lábios da boca
queixam-se como fossem delicadas coxas
a rameira recebe silenciosa
os berros retorcidos
da lâmina do verbo

Jean Narciso Bispo Moura





correio eletrônico


eu não sou Carlos
e nem você Bandeira
suplico
que adormeça as geleiras
não somos sumidades no mundo das letras
brincamos de verso
quando às cinco da tarde
as nossas mães interrompem a brincadeira

Jean Narciso Bispo Moura



presságio


passando pelo cartório
cenas de outrora revivi
a noiva saltava
sacudida pela alegria
o noivo ocultava
a sua ilhada alegria
a noiva saltitava
exultando
com mãos dinamarquesas
                                                                          e macias

eu passava
de carro pela rua
passava
trancado por esta rua
em quarenta e nove segundos
o relógio virou
 a esquina
refleti no retrovisor
um museu íntimo

Jean Narciso Bispo Moura




Jean Narciso Bispo Moura (1980). Poeta, natural de São Félix-BA e reside atualmente em Suzano-SP. Estreou em livro no início dos anos 2000, com o título “A lupa e a sensibilidade”, também é autor de “75 ossos para um esqueleto poético” (2005); “Excursão incógnita” (2008); Memórias secas de um aqualouco e outros poemas “(2011)” e “Psicologia do efêmero” (2013). Tem poemas publicados na Germina, Blecaute, Antonio Miranda, Canal Subversa, Blog do Noblat etc. Está lançando “Retratos Imateriais” pela Editora Singularidade, de onde foram extraídos esses poemas.


Feiticeiro de letras

A criação
Me fez assim...
Um ogro, mais poético!

Amauri Nogueira

Quadro de Tiago Murilo
Enquanto ouver dois seres na Terra
um deles estará buscando inspiração
para trilhar o caminho...
Poetizando para até mesmo
as pedras e espinhos.

Amauri Nogueira


O óculos
é apenas
um acessório
que me faz ler...
sua alma,
sua generosidade,
e ler...
a pintura que és.

Amauri Nogueira

**


Hoje senti o cheiro
Da flor...
O calor do abraço
Há queria eu me peder
Nos seus abraços
Sentir a sua solidão
Bem perto de mim.
Pena que não posso
Dormir no teu jardim.

Amauri Nogueira

**


Hoje senti o cheiro
Da flor...
O calor do abraço
Há queria eu me peder
Nos seus abraços
Sentir a sua solidão
Bem perto de mim.
Pena que não posso
Dormir no teu jardim.

Amauri Nogueira
Poeta paranaense


ANÚNCIOS!!!


Eventos Culturais

Conuna1Inferior

Catalogo Vazio3

Anúncios!!!

Livros Digitais